terça-feira, 19 de fevereiro de 2008

Pobreza

Quem nunca
Encheu um frasco de champô de água para aproveitar tudo?
Quem nunca
Colocou um fósforo no óleo para saber quando estava quente?
Quem nunca
Tomou refrigerante em um copo de requeijão?

Pobreza, pobreza, pobreza
Pobreza, pobreza, pobreza
Pobreza, pobreza, pobreza
Pobreza, pobreza, pobreza

Quem nunca
Encheu de água a embalagem de molho de tomate pra aproveitar tudo?
Quem nunca
Colocou um pedaço de Brombril na antena pra imagem ficar melhor?
Quem nunca
Acendeu 4 bocas do fogão com o mesmo fósforo?

Pobreza, pobreza, pobreza
Pobreza, pobreza, pobreza
Pobreza, pobreza, pobreza
Pobreza, pobreza, pobreza

Quem nunca
Fechou a janela do carro no maior calor só pra pensarem que você tem ar-condicionado?
Quem nunca
Esfregou uma caneta nas mãos pra ela voltar a pegar?
Quem nunca
Tomou banho de bacia pra economizar água?

Pobreza, pobreza, pobreza
Pobreza, pobreza, pobreza
Pobreza, pobreza, pobreza
Pobreza, pobreza, pobreza

Quem nunca
Estendeu a roupa só com um grampo pra poder estender tudo?
Quem nunca
Secou roupa molhada no ferro?
Quem nunca
Jantou a luz de velas para economizar eletricidade?

Pobreza, pobreza, pobreza
Pobreza, pobreza, pobreza
Pobreza, pobreza, pobreza
Pobreza, pobreza, pobreza

Quem nunca
Estendeu um par de meias com um só grampo?
Quem nunca
Fechou um pacote de farinha com um grampo?
Quem nunca
Esperou até meia noite para entrar na internet?

Pobreza, pobreza, pobreza
Pobreza, pobreza, pobreza
Pobreza, pobreza, pobreza
Pobreza, pobreza, pobreza

(Zumbis, Pobreza - Composição: Underley)

2 Comments:

Cátia said...

Ola querida,

Fico contente por ver que continuas com este cantinho... acho que o tema, o assunto,os outros merecem que assim seja.

Não conhecia esta letra. Não sei se tudo aqui é sinal de pobreza, talvez sim... ou talvez eu tenha nascido num ambiente poupado onde apenas tinhamos o suficiente, nada que desse para exageros...

Força para este projecto... Acompanho a tua luta, a tua caminhada.

Beijinho mt grande

Maf_ram said...

Cátia,
podemos sempre ver a pobreza com alguma subjectividade.
O que para uns é considerado pobreza, para outros pode não ser assim tanto...