segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

Um bom Natal para todos!

E que em 2010 os presépios sejam cada vez menos de lata.


(Rui Veloso - Presépio de lata)

Três estrelas de alumínio
A luzir num céu de querosene
Um bêbedo julgando-se césar
Faz um discurso solene

Sombras chinesas nas ruas
Esmeram-se aranhas nas teias
Impacientam-se as gazuas
Corre o cavalo nas veias

Há uma luz na barraca
Lá dentro uma sagrada família
À porta um velho pneu com terra
Onde cresce uma buganvília

É o presépio de lata
Jingle bells, jingle bells,

Oiçam um choro de criança
Será branca negra ou mulata
Toquem as trompas da esperança
E assentem bem qual a data

A lua leva a boa nova
Aos arrabaldes mais distantes
Avisa os pastores sem tecto
Tristes reis magos errantes

E vem um sol de chapa fina
Subindo a anunciar o dia
Dois anjinhos de cartolina
Vão cantando aleluia

É o presépio de lata
Jingle bells, jingle bells,

Nasceu enfim o menino
Foi posto aqui à falsa fé
A mãe deixou-o sozinho
E o pai não se sabe quem é

É o presépio de lata
Jingle bells, jingle bells

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Marcha pela Erradicação da Pobreza



«2010 é o Ano Europeu de Combate à Pobreza e Exclusão Social. Embora o ano só comece no dia 1 de Janeiro, um conjunto de Associações de Solidariedade Social está a organizar uma marcha solidária para antecipar a sua divulgação. Porque a Pobreza é uma violação dos Direitos Fundamentais, dia 17 de Dezembro, pelas 19h30 vamos encontrar-nos na Praça Luís de Camões e desfilar em direcção à Rua Augusta, onde se encontra uma réplica de um monumento em honra das vítimas da fome, da ignorância e da violência. Dia 17 de Dezembro, junte-se a Nós! Traga uma vela e faça parte desta marcha!»

Mais informações em:
Marcha Pela Erradicação da Pobreza e Exclusão Social


Adenda em 18.12.2009:

Um testemunho de Albino Brás que participou nesta marcha: Marchar pelo “Pão de Todos”

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

O Fracasso da Cúpula

Se estivermos à espera de que quem está 'no poleiro' faça alguma coisa pelos pobres, bem podemos desesperar.

“No G8 de Aquila os “grandes” da terra prometeram 20 bilhões de dólares em três anos, mas até agora, nem mesmo um centésimo foi entregue. Isso é extremamente grave e injustificável se se considera que até hoje os líderes mundiais investiram 3 trilhões de dólares para salvar o sistema financeiro e somente na noite de 19 de setembro de 2008 só os Estados Unidos destinaram 700 bilhões”. (Paolo Ramonda)

Enquanto mais de mil milhões de seres humanos sofrem de fome e má nutrição no mundo, entre estes cerca de 17 mil crianças que morrem por dia, sai desta Cúpula de Roma um texto que, na prática, não passa de uma mera declaração de intenções, uma vez que os participantes se recusaram a fixar uma data limite para a concretização desse objectivo, substituindo a meta concreta pela expressão «o mais cedo possível».

Diz o povo, e com razão que:
'De boas intenções está o inferno cheio!'


(Adenda em 27.11.2009)

O ecólogo Felipe Amaral comenta o fracasso da Cúpula Mundial contra a Fome, organizada pela FAO em Roma:

«O fracasso das reuniões de cúpula internacionais é um sintoma de como governos e poderes instituídos tratam as questões emergenciais deste século. Eventos apoteóticos, caracteristicamente extravagantes, preparados em mais alto requinte para um seleto grupo de líderes mundiais.

Estes encontros ou conferências são uma vitrine para a projeção de políticos em escala mundial e um grande balcão de negociações. Nestes espaços as demandas sociais e da humanidade são o pano de fundo, uma retórica, para grandes acordos internacionais de comércio, abrindo fronteiras para produtos e serviços.»

sábado, 14 de novembro de 2009

Cúpula da Fome

A apela ao combate à fome mundial.

Mas quando toca à fome há sempre alguém que se dispõe a fugir como o diabo foge da cruz.

No entanto, se muito boa gente soubesse quanto ela dói talvez que o mundo fosse capaz de ser mais solidário para com os que padecem desse pesadelo escandaloso.

A Cúpula Mundial, em Roma, de 16 a 18 de Novembro, deve contar com a presença de cerca de 60 chefes de Estado e de Governo.

Haverá, de entre estes, pessoas de boa vontade que se atrevam a jejuar 24 horas [de salário] em favor dos que "sofrem de fome e das doenças que esta provoca"?

Assim o jejum não passaria de um simples gesto e serviria de exemplo a que mais "pessoas de boa vontade" jejuassem também.

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

“Levanta-te e Actua - a maior mobilização humana registada na história”

Portugal ajuda a bater novo Recorde do Mundo – “Levanta-te” 2009

«Esperamos e confiamos que os resultados não fiquem apenas pelos números, mas que estes se transformem em compromissos por parte de todos os líderes governamentais para terminar com esta grave situação que acaba com a vida de milhões de pessoas no planeta todos os anos. Que se entenda toda esta mobilização como uma demonstração de que cada vez mais estaremos alerta, mais conscientes e mais sensibilizados para mudar o mundo. Por tudo isso continuamos a acreditar que:

“Somos a primeira geração que pode erradicar a pobreza”»

(Bruno G. M. Neto, Coordenador de Programa Pobreza Zero – GCAP Portugal)

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

Porquê Um Dia Mundial Para a Erradicação da Pobreza?

Dia 17 de Outubro - Dia Mundial Para a Erradicação da Pobreza.

Porque é que ainda é necessário um dia destes?

Porque, por exemplo, o que se passa em Portugal é uma vergonha:

- Trabalho precário;
- Falsos recibos verdes;
- Cada vez mais desemprego;
- Fome[!];
- RSI (Rendimento Social de Inserção) atribuído a quem não faz nada para se inserir, enquanto que indivíduos e famílias em situação de grave carência económica não são considerados com direito a ele;
- Pessoas Sem-abrigo;
- A Pobreza envergonhada é cada vez mais uma realidade;
- ...

Porque, por exemplo, na Europa os objectivos traçados para a erradicação da pobreza se revelaram em fracasso.

Porque, por exemplo, a nível mundial a miséria 'brada aos céus'.

Enquanto houverem pessoas com condições de vida degradantes, a quem é roubada a dignidade, faz todo o sentido um dia Mundial para a Erradicação da Pobreza.

O ideal seria não ser preciso. Seria sinal de que não existiam pessoas num sub-mundo.

É preciso gritar a plenos pulmões para ver se esta gente insensível acorda!


ACORDAI!!! e senti o nojo destas e de outras à vossa volta!

Levanta-te e Faz-te Ouvir!

sexta-feira, 25 de setembro de 2009

A Pobreza em Portugal é persistente

- Aurora Teixeira

A Pobreza é persistente e menosprezada - "nunca será exagerado insistir em que a estratégia de erradicação da pobreza reclama três linhas de acção inalienáveis: a desocultação, a personalização e a universalidade."
- Cáritas Portuguesa

sexta-feira, 11 de setembro de 2009

É possivel transformar o pesadelo em sorriso

"Há seis anos foi passar férias a Bombaim e deparou-se com um realidade que desconhecia: muitas crianças a pedir, a maior parte delas com faltas de membros ou de dedos. Só mais tarde soube que as máfias fazem isso às crianças para que provoquem pena e recebam mais esmolas na hora de mendigar junto a hotéis e restaurantes de luxo. Por vezes são os próprios pais que as amputam para que não sejam roubados pelas máfias, pensando que já têm patrão. Há várias pessoas a alugar crianças destas para receberem avultadas esmolas.

Isto revoltou Jaume Sanllorente Trepat* que resolveu no ano seguinte dedicar-se a proteger as crianças pobres de Bombaim, para que não caiam nas mãos das máfias.
Depois de conhecer um pequeno orfanato que se preparava para fechar as suas portas, colocando quarenta crianças na rua e nos prostíbulos da cidade de Bombaim, Jaume Sanllorente toma a decisão que mudará o resto da sua vida. E, em consequência disso, mudará as vidas de muitas outras pessoas. O seu trabalho é agora apoiar o maior número de crianças pobres daquela cidade. E está a conseguir com a ajuda de muitas pessoas que o apoiam. Uma lição de amor, entrega, sacrifício e esperança que nos convida a acreditar que todos podemos contribuir para um mundo melhor."


*"Jaume Sanllorente Trepat nasceu em Barcelona a 9 de Julho de 1976. Estudou jornalismo. Trabalhou em meios de comunicação catalães como a COM Rádio e a BTV. Especializou-se depois na área de jornalismo económico, tendo desempenhado durante vários anos o cargo de delegado na Catalunha da revista Comercio Exterior e trabalhado em numerosas outras publicações desse sector. Desde 2004 que Jaume Sanllorente dirige a ONG Sorrisos de Bombaim


que ele mesmo fundou e que, neste momento, dá educação e possibilidades de futuro a mais de 2700 crianças «intocáveis» das ruas de Bombaim. Jaume Sanllorente vive actualmente nesta cidade da India, onde prossegue, dia a dia, uma constante luta pacífica contra a pobreza."


SONRISAS DE BOMBAY

sexta-feira, 14 de agosto de 2009

A Pobreza cada vez mais visível em Portugal

Estamos bem servidos:

Taxa de desemprego sobe para 9,1 por cento
Portugal tem mais de meio milhão de desempregados

e
Número de desempregados sem subsídio cresce mais rapidamente que o desemprego

(Fonte: Economia- Público.pt)

... e dura, dura, dura!!!!

Assim vamos longe!... na Pobreza!

É isto o princípio do fim da crise?!!!...
só se for o princípio do bater no fundo!

Mas quanto é que rebentamos de uma vez?

quarta-feira, 15 de julho de 2009

Pobreza é


Pobreza Extrema

Miséria e fome...







Pobreza Absoluta

Rendimento inferior ao necessário para fazer a despesa mínima à manutenção da vida.

Primária: Rendimento abaixo do mínimo necessário à manutenção meramente física.

Secundária: Rendimento inferior ao necessário às despesas primárias com habitação, transportes...



Pobreza Relativa

Ser pobre em Portugal, hoje, é diferente de há 20 ou 30 anos; e diferente de o ser, hoje, em Angola ou em Inglaterra.



Pobreza Subjectiva

O mesmo Rendimento tem diferentes significados e usos para, por exemplo, os Velhos pobres ou os Novos pobres, de acordo com a experiência existencial do próprio que a vive.



Pobreza Convencional

Considera-se pobre aquele que tiver um Rendimento inferior a determinado montante e que reúna condições de lhe ser atribuído, pelo Estado, um rendimento mínimo (RSI).



Pobreza Total/
Pobreza Parcial:

Pobreza Total - falta de todo o tipo de recursos.

Pobreza Parcial - falta de alguns recursos.



Pobreza Temporária/
Pobreza Permanente

Temporária: situação conjuntural ou de curta duração.

Permanente: de longa duração, por exemplo, desempregados há mais de um ano.



Pobreza Envergonhada

Quem a sofre, esconde a sua situação.


"O meu maior sonho é ser pobre um dia!
Porque ser todos os dias, é terrível"

(Anónimo)

sábado, 4 de julho de 2009

Vamos tornar o sonho um pouco realidade


Não deixem de ver. Emocionem-se!

E?... Que posso eu fazer?

Que podes tu fazer?

Há sempre algo que depende de cada um de nós!

quarta-feira, 24 de junho de 2009

Nova Geração de Excluídos



«São pobres os indivíduos ou família cujos recursos são tão escassos que os excluem do modo de vida aceitável no Estado-membro em que vivem.»

[Definição Política de Pobreza, Conselho de Ministros da CEE-10, 1974.]

domingo, 31 de maio de 2009

O rico que não gostava de pobres

Havia um homem rico que tinha lido nas sagradas escrituras que a riqueza era um dom de Deus; e lera também, numa outra passagem, que para além de um dom de Deus, a riqueza era o prémio que Deus concedia àqueles que lutavam por ela.

O homem rico sabia que estava com Deus; a prova era a sua riqueza!
Mas todos os dias, ao fazer o exame de consciência, descobria que aqui e ali tinha perdido oportunidade de a aumentar ainda mais; e penitenciava-se: pedia sentidamente perdão a Deus por não ter aproveitado quanto podia os dons que o Altíssimo lhe podia dar! E todos os dias fazia como propósito para o dia seguinte, aumentar o seu tesouro!

O homem rico, naturalmente, não gostava de pobres. a razão era simples: se eram pobres, é porque não aproveitavam os dons de Deus.
E todos os dias o homem rico, cumprindo os seus propósitos de consciência(!), pagando pouco aqui, exigindo mais além, negociando habilmente direitos e deveres,
... deixava os pobres um pouco mais pobres.

O homem rico não gostava de pobres; mas usava-os para aumentar a sua riqueza e a boa consciência diante de Deus!

Claro que o homem rico nunca lia o resto das palavras sagradas do mesmo santo Livro, onde também se dizia que a riqueza era um dom de Deus para todos os homens, e que só era verdadeiramente rico quem a partilhava.

Ou talvez as lesse;
... mas com os olhos, coração e ouvidos fechados...

...não fosse entendê-las e converter-se...

(In: Vinho Novo em Odres Novos, Temas de Reflexão, Cáritas Diocesana de Coimbra)

sexta-feira, 22 de maio de 2009

Crise? Qual Crise?!

Grande crescimento:

"As instituições financeiras emprestaram mais às famílias e às empresas em Março do que nos meses anteriores.

Em Março, os bancos financiaram 747 milhões de euros para novos créditos à habitação.

Estes emprestaram 313 milhões de euros para compra de bens de consumo, como computadores e móveis, e 4,2 mil milhões de euros às empresas." (Fonte: Jornal de Negócios)


Mais crescimento:

"Apesar de os bancos terem emprestado mais dinheiro em Março, atingindo valores recorde, o crédito malparado disparou para os máximos mais elevados desde 1999, mostrando que há cada vez mais portugueses e empresas a não conseguirem pagar aos bancos." (Fonte: Público)

"De acordo com os dados que constam do Boletim Estatístico do Banco de Portugal, o malparado aumentou em todos os destinos de financiamento, desde a habitação ao consumo e aos outros fins." (Fonte: IOL Diário)

Ainda mais crescimento:

"Os despedimentos cresceram 69% - em Janeiro e Fevereiro, 31 mil pessoas foram despedidas em processos unilaterais ou por mútuo acordo.

Os despedimentos estão a ganhar terreno, mas o fim do trabalho não permanente continua a ser a principal causa de desemprego." (Fonte: DN)

"O número de desempregados em Abril inscritos nos Centros de Emprego em Portugal aumentou 27,3 por cento comparativamente ao mesmo mês do ano passado.

Esta escalada do desemprego iniciou-se em Outubro do ano passado e os dados divulgados mostram o acréscimo mais elevado desde Julho de 2003." (Fonte: Notícias RTP)

"O desemprego em Portugal está a aumentar de uma forma tão galopante, que o deputado comunista Honório Novo teme o surgimento de convulsões sociais: «Posso acusar um pai ou uma mãe que se revolte e se indigne e tome atitudes porventura ilegais porque tem de dar de comer à família?»" (Fonte: IOL Diário)

"A aceleração do desemprego registado está a verificar-se em todos os sectores de actividade e a abranger já os trabalhadores com vínculos permanentes.

Os desempregados inscritos em Março mostram a maior subida em 30 anos, o que indicia um aprofundamento da crise, em que o próprio Estado parece já não ser capaz de atenuar a tendência geral." (Fonte: Público)


… Mas… dizem que há Crise!!... Onde?!

sexta-feira, 1 de maio de 2009

Dia do sem-trabalho

O povo saiu à rua num dia assim...



Pobreza e Exclusão Social

A pobreza e a exclusão social, não sendo a mesma coisa, têm entre si uma relação de complementaridade: a pobreza representa uma das formas ou dimensões da exclusão social, pois é impeditiva da plena participação na vida económica, social e civil.

Sendo a exclusão social um processo que marginaliza indivíduos e grupos sociais no exercício da cidadania, ela dá-se através de rupturas consecutivas com a sociedade nas relações afectivas, familiares, de amizade e com mercado de trabalho. É um fenómeno multidimensional, que se apresenta como uma conjugação de factores sociais, económicos e políticos.

Na exclusão social verifica-se uma acentuada privação de recursos materiais e sociais que impedem de participar plenamente na vida económica, social e civil e ou não permitem usufruir de um nível de vida considerado aceitável pela sociedade em que se vive.

Ora, acho que um dos maiores causadores destas rupturas do indivíduo com a sociedade é o desemprego e o emprego precário, na medida em que os baixos rendimentos ou a sua ausência levam à pobreza, sendo esta uma das dimensões mais visíveis da exclusão social.

Estamos a passar por um período de crise em que o desemprego é, de dia para dia, cada vez mais uma constante. O trabalho exerce um papel integrador, um dos vínculos mais importantes à sociedade, nos relacionamentos que gera e no rendimento que proporciona.

O povo está a ficar cada vez mais marginalizado, mais impedido de exercer o seu direito à cidadania pois, devido ao desemprego e ao emprego precário (recibos verdes) vê-se diminuído económica e socialmente, o que lhe provoca uma má qualidade de vida, que conduz à exclusão social, pela agudização das desigualdades, pelo impedimento do gozo de direitos que um emprego "normal" lhe proporciona e que de outro modo não tem.

Que o povo saia à rua!

quinta-feira, 26 de março de 2009

DESEMPREGO - Factor de pobreza

O número de desempregados em Portugal aproxima-se do meio milhão.

Esta é a grave situação socio-económica que o nosso país irá enfrentar nos próximos tempos: Desemprego - um factor da pobreza.

Ao contrário das previsões anunciadas pelo Banco de Portugal, em Janeiro de 2009, de que a taxa de desemprego ficaria abaixo de 8% em 2009, esta já se encontra muito acima.

Se contarmos aqueles que frequentam os cursos subsidiados das "novas oportunidades" a taxa ultrapassa os 15%. Se contarmos com os que recebem RSI e com aqueles que mal sobrevivem a fazer uns biscates, aqui e ali, iremos aos 20%!

No final de Janeiro estavam inscritos nos centros de emprego 447.966 desempregados, mais 12,1% que no mesmo mês de 2008, e mais 7,7% que os inscritos em Dezembro.

Mas existem 285.000 desempregados que não constam das estatísticas de desemprego.

A situação económica grave dos nossos principais parceiros comerciais está afectar as nossas exportações e a contribuir para a subida da taxa de desemprego, o que poderá fazer com que esta atinja, até ao final do ano, o valor mais elevado de sempre.

Apesar do agravamento da situação interna, o Governo continua a fechar os olhos, e a dar prioridade ao TGV, ao aeroporto, e às auto-estradas.

Será para criar postos de trabalho?

terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

Risco de pobreza para 20% das crianças portuguesas

«Portugal está entre os seis países da União Europeia onde mais famílias com crianças abaixo dos seis anos de idade vivem no limiar da pobreza, revela um estudo da Comunidade Europeia divulgado, esta segunda-feira, em Bruxelas e disponibilizado na Internet.

Dados do "Tackling Social and Cultural Inequalities through Early Childhood Education and Care in Europe" indicam que um quinto (21 %) dos agregados familiares portugueses com crianças com menos de seis anos está à beira da pobreza.»


Ainda espero que haja alguém, com bom senso, no Poder em Portugal que

terça-feira, 20 de janeiro de 2009

Países Ricos - Países Pobres

A diferença entre os países pobres e os ricos não é a idade do país. Isto pode ser demonstrado por países como Índia e Egito, que tem mais de 2000 anos e são pobres. Por outro lado, Canadá, Austrália e Nova Zelândia, que há 150 anos eram inexpressivos, hoje são países desenvolvidos e ricos.

A diferença entre países pobres e ricos também não reside nos recursos naturais disponíveis. O Japão possui um território limitado, 80% montanhoso, inadequado para a agricultura e a criação de gado, mas é a segunda economia mundial.O país é como uma imensa fábrica flutuante, importando matéria-prima do mundo todo e exportando produtos manufaturados. Outro exemplo é a Suíça, que não planta cacau mas tem o melhor chocolate o mundo. Em seu pequeno território cria animais e cultiva o solo durante apenas quatro meses no ano. Não obstante, fabrica laticínios da melhor qualidade. É um país pequeno que passa uma imagem de segurança, ordem e trabalho, o que o tranformou na caixa forte do mundo.

De forma análoga, os executivos de países ricos que se relacionam com seus pares de países pobres mostram que não há diferença intelectual significativa.

A raça ou a cor da pele também não são importantes: imigrantes rotulados de preguiçosos em seus países de origem são a força produtiva de países europeus ricos.

Qual é então a diferença?

A diferença é a atitude das pessoas, moldada ao longo dos anos pela educação e pela cultura. Ao analisarmos a conduta das pessoas nos países ricos e desenvolvidos, constatamos que a grande maioria segue os seguintes princípios de vida:

A ética, como princípio básico;
A integridade;
A responsabilidade;
O respeito pelas leis e regulamentos;
O respeito pelos direitos dos demais cidadãos;
O amor ao trabalho;
O esforço pela poupança e pelo investimento;
O desejo de superação;
A pontualidade.

(Fonte: Scribd, Países Ricos - Países Pobres)

E agora pergunto eu:
Por onde andam estes princípios?