quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013

Em Portugal... onde os ricos são os donos, aos pobres vai o mal...

«Dizem-lhes que, se não abortarem, tiram-lhes os bebés. Há uma cultura de medo, que é preciso denunciar. Isto não é proteger os menores. Há coacção psicológica». 
(Leonor Ribeiro e Castro) 

«A pobreza nunca é o factor determinante para retirar um menor». «O que acontece é que a pobreza leva à desorganização, falta de rotinas, de higiene e de cuidados de saúde que põem as crianças em risco». 
 (Dulce Rocha) 

E a culpa é de quem?! 
Querem lá ver que as oportunidades de vida de quem nada tem, ou tem pouco, são iguais às das pessoas de mais posses?! 

E, então, a solução encontrada pelos génios, para melhorar as situações, passa pelo não direito a ter (os) filhos! Boa! Estamos mesmo no bom caminho!
Isto é que é criar condições!

7 Comments:

MaFaR said...

Enquanto isso, por exemplo, Lucro do Santander Totta quadruplica para 250 milhões em 2012: http://www.jornaldenegocios.pt/empresas/detalhe/lucro_do_santander_totta_quadruplica_para_250_milhoes_de_euros_em_2012.html

MaFaR said...

A propósito, e a também propósito disto http://expresso.sapo.pt/como-se-chamam-juizes-que-roubam-filhos-a-uma-mae=f782121

Uma mensagem enviada à Drª Dulce Rocha (referida no post), Presidente do Instituto de Apoio à Criança:
https://www.facebook.com/groups/593528997340460/permalink/608593899167303/

MaFaR said...

E também:
Governo tem que esclarecer o que pensa sobre "esterilização forçada":
http://rr.sapo.pt/informacao_prog_detalhe.aspx?fid=191&did=94685

MaFaR said...

Associações indicam nomes de mulheres pressionadas a abortar ou a fazer laqueação de trompas pela Segurança Social:

http://www.publico.pt/sociedade/noticia/associacoes-vao-indicar-nomes-de-mulheres-que-foram-pressionadas-a-abortar-ou-a-fazer-laqueacao-de-trompas-1583734

Sara S. said...

Desconhecia esta realidade, especialmente quando se faz tanta referencia à diminuição da natalidade e se promovem diversos cursos gratuitos no decorrer da gravidez e na adaptação à parentalidade. É uma falta de ética e de consideração... É mais do que isso, mas como estou atónita com isto nem encontro as palavras. Esperemos que não se espalhe por todo o país tamanho défice de sensibilidade, respeito e profissionalismo até, e ganhem consciência entretanto. Beijinhos

MaFaR said...

Acho que para promover a natalidade não tem sido feito grande coisa, muito pelo contrário... anda a ser implantada uma cultura de morte.
Beijinhos, Sara S.

E interessante este comentário de Maria Gil, aqui: https://www.facebook.com/groups/593528997340460/permalink/609774422382584/ - "Á cerca de dois anos atrás recebi um telefonema de uma presúmivel assistente social,pelos menos foi assim que identificou ditando o seu nome e dando dados referentes ao meu processo e identidade,a surpresa foi ainda maior quando a mesma me informa que o teor da conversa era planeamento familiar! De tão perplexa que fiquei quis desvendar o porquê daquele telefonema,nada mais nada menos que uma sugestão de laqueação de trompas...indignada com a situação, propus á dita sra uma marcação urgente de reunião com a presença de alguém de minha confiança a fim de esclarecer o porquê daquele telefonema,a mesma concordou e pediu para me dirigir SS e marcar atendimento,fi-lo no dia a seguir,mas quando cheguei lá fui informada que a assistente social tinha ficado de baixa médica e que teria que esperar pelo seu regresso ao serviço. Esperei pelo regresso cerca de três meses e mais um tempo que não consigo precisar pela disponibilidade de agenda da sra,quando se deu finalmente o atendimento,a assistente social negou a pés juntos que me tenha feito qualquer telefonema e muito menos com esse teor de conversa!!!!"

MaFaR said...

E há um terço das crianças portuguesas perto do limiar da pobreza -
http://www.tsf.pt/PaginaInicial/Vida/Interior.aspx?content_id=3052633