terça-feira, 16 de setembro de 2008

Reflexos de pobrezas

Portugal, de norte a sul, tem vindo a ser vítima, nos últimos tempos, de uma onda de assaltos e criminalidade como nunca antes.

São assaltos a bancos, a gasolineiras... ele é a caixas multibanco, é carjacking... tanto pode ser a uma prateleira ou caixa de supermercado, como à carteira do pequeno e do médio contribuinte, ou aos cofres do Estado.

Há para todos os gostos e feitios.

São grupos, são solitários... são portugueses, são brasileiros, são de outras nacionalidades.

E mata-se por "dá cá aquela palha".

Quem gosta de filmes policiais pode agora deliciar-se com as imagens reais e até em directo.

E discute-se o tema, debate-se, fala-se e fala-se...

e continua tudo na mesma, ou cada vez pior!


Não serão tudo reflexos de pobrezas?!

11 Comments:

Ferreira-Pinto said...

Possivelmente de pobreza e de outra coisa mais tenebrosa ... terem crescido e sido habituados a uma ilusão de falsa prosperidade, sem educação e incapazes de sofrer!

Tiago R Cardoso said...

O reflexo de uma sociedade egoísta que está a perder valores, criando todo um ciclo de desigualdades.

Ana Martins said...

Olá MAF_RAM,
é com certeza um reflexo de pobreza, mas não só, é também o reflexo do que se tem vindo a perder ao longo dos anos, os "valores", que se traduzem em honestidade, respeito e amor ao próximo. É também o reflexo de uma justiça totalmente ineficaz, pode-se matar, roubar, vandalizar e outras coisas mais à vontade que a pena é sempre ligeira, e com um pouco de sorte até passa por umas apresentações semanais na esquadra da área da residência.

Beijinhos

lusitano said...

É sim senhora, o reflexo de pobrezas, de muitas pobrezas de que este país está cheio a todos os niveis, que não só o material.

depassagem said...

concluo que meu conceito de pobreza esta correcto, infelizmente!
pois de facto apuro que a falta de valores esta empresta-me um pouco de sal?" ja vai desaparecendo, vitima do Ter, de julgasmento... . hoje todos policias julgadores acusaçoes gratuitas proferidas, sem olhar o espelho.

um projecto acima de tudo educativo de recuperaçao de valores como compartilha, respeito pela vida , preservaçao da dignidade, afinal resunindo respeito pelo proximo - amor incondicional seriam bem vindos num discurso acessivel e remodelado. somente porque o antigo se perdeu mudam as palavras e funciona!?mesmo!

quanto a casos praticos estarei aberto a propostas onde possa participar

aprendamos ja agora as coisas boas de nossos irmaos Brasileiros onde valores de compartilha entre-ajuda sao inatos, esta no sangue na pele nos actos.

ainda temos muitos praticantes por cá, ainda...aproveitemos e lancemos mais "sementes"

Bem haja

depassagem said...

leio aqui mesmo os comentarios e volto ao mesmo....falta de tolerancia a frustraçao...misturam-se com o acomudar e perrices em vez de conformar-reformular e contornar, conquistar

Rui Figueiredo Vieira said...

Acho que sofremos de um grave problema...Politicos! É verdade, para mim a origem de todos os males é mesmo a politica. Pessoas que nunca sairam para fora de um gabinete, nunca conheceram a realidade social, as condições de vida das pessoas, as suas necessidades... São eles que definem o nosso futuro.

MaF_Ram said...

Amigos,
agradeço a todos vós as vossas achas para a fogueira...

A. João Soares said...

A onda de violência que tem inundado o Pais de ponta a ponta, não é indiferente à pobreza e à injustiça social, ligada a diferenças abissais entre os salários extremos. Mas outros factores a influenciam como a ausência de valores cívicos essenciais que têm desaparecido. Determinador vícios que saem caros também conduzem a acções violentas para obtenção do dinheiro necessário ao consumo.
Tem havido uma imunidade degradante dos criminosos que serviu de incentivo ao recrudescimento da violência assente na pouca actividade da polícia e da morosidade da Justiça. Foi positivo o despertar das polícias que há pouco tempo começou a actuar com razoável eficácia, sendo de esperar que os tribunais lhe dêem a necessária continuidade dos processos.
É preciso criar dissuasão que trave a violência e dê segurança â população. Mas de momento assistimos a um braço-de-ferro entre os actores da violência e as forças da ordem, sendo desejável que a polícia vença rapidamente para restabelecer a necessária sensação de segurança.
Abraços
João

alf said...

Cá para mim, os grandes criminosos já perceberam o que se passa em portugal - os juizes querem que o Sócrates saia, porque o Sócrates reduziu-lhes as férias, exige-lhes que cumpram os prazos da Lei (era só o que faltava...), qualquer dia acaba-lhes como o subsídio de habitação, qualquer dia obriga-os a comparecer no trabalho em vez de os processos serem levados a casa do sr dr Juiz, etc.

E que fazem então o Juizes para que o Sócrates caia? Não condenam ninguém! Nem mesmo um tipo carregado de armas e bombas fica preso apesar de estar escrito que quem for apanhado com armas ilegais fica obrigatoriamente preso. Se eu estou enganado, alguém que me esclareça.

Manuel Rocha said...

Apreciei o plural "pobrezas" deixado em jeito de pergunta no fim do texto.

Apreciei porque ele dá margem para explorar outras pobrezas menos óbvias, como a pobreza informativa ou a da nossa capacidade de percepção e análise da realidade.

É que a afirmação com que o texto abre, aceite como verdadeira pelo simples facto de ser divulgada como tal, se assemelha em tudo a uma outra que li há tempos e que, citando um "estudo", informava algo do género de que "nos últimos cinquenta anos têm aumentado os óbitos causados por cancro em Portugal". Não tenho como afirmar o contrário. Mas fica-me uma dúvida: aumentaram as mortes por cancro porque há mais cancros ou porque há mais meios para os diagnosticar e logo eles se tornam mais "visiveis" ?

Neste caso da segurança, eu não sei se se há vinte anos as práticas de recolha de informação e registo de ocorrências criminais eram as mesmas. Nem sequer sei se as tipologias eram as mesmas. E sem esclarecer isso não tenho termos de comparação objectivos. Mas há uma coisa que sei: é que em Portugal, num banal fim-de-semana, se registam mais mortes e feridos nas estradas que as vitimas anuais por criminalidade violenta.