sábado, 1 de maio de 2010

Trabalho... Pobreza e Exclusão Social...

(... Ou, Como falar do Trabalho, no Dia do Trabalhador)

No final de Março, deste Ano Europeu de Luta Contra a Pobreza e a Exclusão Social, o número de desempregados em Portugal subiu para 578 mil. Um número que nos fala de Pobreza e de Exclusão Social.
Um número grande de pessoas que não trabalham, umas porque não têm emprego, e outras porque as habituaram a não trabalhar: porque são subsidio-dependentes de RSI, de subsídios de desemprego, ou de Acção Social.
Outras vivem de frequentar cursos subsidiados uns atrás de outros... e outras...
bem, e outras há que recebem ordenados e prémios e reformas de tal modo gordos que ferem de morte lenta quem tem cada vez menos.

Quem trabalha e mata a fome/ não come o pão de ninguém. Quem não ganha o pão que come/come sempre o pão de alguém. (António Aleixo)

O trabalho é das maiores armas de combate à pobreza e à exclusão social.
O trabalho é um dos vínculos mais importantes à sociedade, pelo rendimento que proporciona e pelos relacionamentos que gera.
O trabalho dignifica.

Não trabalhar vai marginalizando, vai limitando ou impedindo a participação na vida económica, social e civil, vai agudizando desigualdades sociais não permitindo usufruir de um nível de vida considerado aceitável pela sociedade em que se vive.

5 Comments:

zedeportugal said...

A propósito do que escreve, lembrei-me deste artigo
http://www.spectator.co.uk/essays/all/5571423/how-eugenics-poisoned-the-welfare-state.thtml

Lídia Craveiro said...

É uma pena que a classe de políticos que temos em Portugal não veja que estão a condenar ao país à miséria da qual saímos no 25 de Abril. Mas será que a intenção não mesmo essa? Bom trabalho! Denuncie sempre. Não nos podemos calar.

Lídia Craveiro

SILÊNCIO CULPADO said...

É também necessário que a remuneração seja suficiente para fazer face às necessidades básicas. Com ordenados de miséria há famílias a recorrerem ao Banco Alimentar.

Acabar com a pobreza.... Temos que lutar. Todos e sem tréguas.

Abraço apertado

Sara S. said...

Bem verdade. E só de pensar que agora o número de desempregados ultrapassa os 700 mil, custa. Custa ainda mais aos que passam por isso e não têm culpa da situação em que foram colocados. Há que mudar, o governo tem de mudar, senão, nada se alterará. Beijinhos

Ana Campos said...

Esqueça. Aqui neste país não dá mais nada, só roubar e futebol e que vale.
O resto é uma ilusão.
Este país está uma bosta, uma vergonha. Estão-se bem lixando para quem precisa. Não se destingue o bem do mal. UMA DESGRAÇA