sexta-feira, 4 de junho de 2010

Nada mais que um sonho...

Erradicar a pobreza é isso: um sonho. Nada mais do que um sonho, utopia: quimera!
Por enquanto só os pesadelos nos assombram as noites e os dias, cada vez mais escuros como a noite.

Como é que se pode erradicar a pobreza quando se rouba aos pobres para dar aos ricos?

Como é que se erradica a pobreza quando, em vez de serem criados postos de trabalho, se encerram ou trocam postos de trabalho por máquinas?

Como é que se acaba com a pobreza quando se promove a desertificação do interior?

Como é que se pode sonhar acabar com a pobreza quando a máquina fiscal é cega, surda e doida?

Como é que a pobreza pode deixar de ser cada vez mais miséria e exclusão social quando meia dúzia de políticos, sem pejo nem vergonha, se arrogam em donos da verdade, colocando a mentira em cada vez mais rostos de pobreza envergonhada?
...

Deixo um apelo:
Senhores de gabinetes, venham para o terreno, onde a realidade é.

9 Comments:

zedeportugal said...

Os políticos têm que passar a ser responsáveis e responsabilizados pelos seus erros, omissões, incompetências, mentiras.

É preciso aqueles a quem os eleitores dão poder tenham que prestar contas dos seus mandatos.

Só os sistemas de democracia directa prevêem constitucionalmente esses mecanismos de responsabilização (accountability) e os meios dos cidadãos os porem em prática: iniciativa, referendo, cessação de mandato e convocação de novo plebiscito (recall).

http://democratadirecto.wordpress.com/

O Guardião said...

A irresponsabilidade com que se tomam decisões que são socialmente inaceitáveis, é termenda. Os governos dos últimos anos governaram mal, permitiram que o país tenha chegado a esta situação. A responsabilidade da má distribuição da riqueza também não é assumida.
O povo também é responsável, porque o voto deve ser exercido com consciencia e com responsabilidade.
Cumps

alf said...

se falarmos com as pessoas ao acaso, verificamos que todos pensam o mesmo: estão a ser explorados pelos que ganham mais do que eles. Ninguém pensa nos que ganham menos, apenas nos que ganham mais.

é assim que vemos as pessoas que têm casa, carro, fazem férias no estrangeiro, fins de semana nas pousadas de Portugal queixarem-se dos impostos e das regalias da empregada doméstica.

Ninguém aceita que no seu emprego os seus direitos sejam os mesmos da sua empregada doméstica, nem pensar!!!

Cada um vê o mundo à medida das suas conveniências.

E é aqui que começa o problema. Claro que aos políticos podemos exigir que sejam mais esclarecidos que o cidadão comum, mas numa democracia isso acaba por ser impossível - são os interesses da maioria que prevalecem.

Portanto, enquanto os pobres forem menos de 50%, não há uma política virada para eles.

O grande indicador económico é a evolução da riqueza das 20% das pessoas que ganham menos. O objectivo da economia e da política não é aumentar o PIB, é aumentar o rendimentos dos 20% que ganham menos. Mas já alguém ouviu falar disso? Claro que não.

Lutar contra a pobreza será, em minha opinião, lutar por recentrar os objectivos da sociedade. E uma forma de o conseguir é começar por exigir este indicador nas análises económica: a variação da riqueza dos 20% que ganham menos.

Aqui fica a sugestão...

E não desanimes... a tua luta para sensibilizar a consciencia das pessoas é indispensável, porque a consciencia das pessoas deixa-se facilmente dominar pelo egoísmo.

MaFaR said...

Zé,

"Os políticos têm que passar a ser responsáveis e responsabilizados pelos seus erros, omissões, incompetências, mentiras."...

Olha, amigo, quando?!...

Obrigada pela colaboração!


_____


Guardião,

todos têm a sua parte de culpa...
se bem que uns muito mais do que outros. Mas quem paga nunca são os mais culpados!

Obrigada pela presença!

______

Alf,

vamos então lá esperar que as estatísticas nos tragam os 50%, para que alguém se mexa,
já não falta muito...
tenho até as minhas dúvidas se não estaremos já lá, com tanto que nos querem 'comer' de tantas maneiras e feitios.

Obrigada por teres trazido mais um pouco de luz a esta escuridão!

Ana Campos said...

Sempre que não interessa, aparece a palavra utopia.
Eu acredito que tudo é possivel, se quisermos, se nos unirmos, e remarmos para o mesmo lado.
Eu acho possivel que se o mundo se unisse tudo era possivel, mas depois vêm aqueles inteligentes, uma coisa que eu não sou, claro até sou loira, dizer isso é uma UTOPIA. Uma utopia o caraças, não lhes interessa! Importante para todos os governos do mundo é o petróleo, a prostituição, a droga, as armas, etc, isso sim.
O ser humano é uma porcaria, está podre e velho!

MaFaR said...

Ana, eu também ainda acredito que se todos se unirem no mesmo sentido, sem olhar a interesses particulares, sem individualismos e egoísmos, tudo pode ser possível!

No entanto, temos de convir que muito está a cair em descrédito!

Obrigada! Beijinhos

Sara S. said...

Há muitos "Como" e "Porque" que podem explicar a intangibilidade desse sonho. Essa vontade não é impossível, mas dadas as condições actuais que não favorecem em nada, ou quase nada, as classes mais baixas dos mais diversos países, torna-se impensável alcançar essa meta de erradicar a pobreza. Quando os chefes ganharem consciência, talvez se consiga atingir, talvez.
Beijinhos

Anónimo said...

http://www.youtube.com/watch?v=y2wsqPzOJNk&feature=channel

Esta foi uma curta metragem utilizada na disciplina de Área de projecto pela turma 12ºF, grupo da pobreza, ao longo deste ano aprendemos bastante com este tema e tivemos consciência que muita coisa tem que ser mudada.

Vejam o video, e comentem.

MaFaR said...

Deve-se sempre lutar pelo sonho de todas as maneiras ao nosso alcance!

Muita coisa pode ser mudada.

Podemos não mudar o mundo, mas podemos sempre mudar o mundo de alguém!