domingo, 25 de maio de 2008

Sei que não mudarei o mundo...

... mas tenho a esperança de poder mudar o mundo de alguém.

Tenho vindo a verificar que a pobreza se está a instalar no mundo, como um cancro social. Que a riqueza está em poder de uma minoria, cada vez mais rica, e que os pobres são cada vez em maior número e mais pobres. Que esta pobreza não será fácil de erradicar, por se tratar de um fenómeno à escala mundial e de múltiplas dimensões.

Acho que para se erradicar a pobreza teria de haver vontade Política, concreta e coordenada, por parte dos governos de todo o mundo, o que nunca será um assunto consensual e pacífico, numa sociedade caracterizada pela indiferença e pela fome de poder.

Noto que ainda falta percorrer muito caminho. Talvez, devido às novas tecnologias de informação e/ou porque as pessoas estão a sentir na pele este problema, só recentemente se começou a falar massivamente neste assunto.

Este flagelo não está a afectar só pessoas com pouca instrução, como numa primeira abordagem poderá parecer. Existem muitos licenciados, principalmente no nosso país, que se vêem a braços com este problema, devido à falta de emprego, a condições de precariedade, encargos contraídos que não têm meios para pagar…

Por outro lado, têm vindo a ser incutidos, nas pessoas, variados hábitos de consumo que as arrastam para situações, que considero anormais, mas que muitos ainda não as enxergaram como tal, nem o quanto estão a ficar reféns do poder dos mais ricos e escravos de certos vícios que os acabarão por levar, inevitavelmente, à pobreza e a doenças físicas e psicológicas, se não se conseguir travar este ciclo antes que seja tarde demais.

Portanto, a pobreza pode não acabar, mas podemos tentar minimizar este flagelo despertando consciências, deixando egoísmos de lado e pensando um pouco nos outros, contribuindo com a nossa parte, na medida das nossas possibilidades, quer em apoio monetário, quer ao nível de voluntariado em inúmeras ONGs e IPSSs, ou outras iniciativas conforme as qualificações e aptidões de cada um, porque só se pode dar do que se tem e, às vezes, dentro da nossa pobreza, temos muito que dar a quem ainda tem menos do que nós.

É neste sentido que, quantas vezes com prejuízo para a minha própria vida, dou o meu contributo na Direcção de uma IPSS, como membro de um GASC, na animação de um GJ...
Também, a nível individual e profissional, procuro estar disponível e aberta à pequena comunidade de que faço parte, a fim de responder, na medida do que me é possível, às solicitações que me surgem.

Mas gostaria de ir ainda mais longe... sempre fui uma pessoa muito inconformista!

4 Comments:

C Valente said...

Saudações amigas

zedeportugal said...

Cara Mafalda,
Fico contente pelo seu agrado da singela musiquinha "country" que pus lá pelo sítio. Não é a Dixit Dominus, de Händel, nem a Jesus, Bleibt Meine Freund, de Bach, mas a intérprete tem uma bela voz e o conteúdo é edificante.
Gosto do título que escolheu para o seu texto. É verdade, podemos sempre fazer a diferença para a Vida na vida de alguns. Mas, infelizmente, as pessoas tendem a ser cada vez mais hedonistas. O mundo está doente e a única cura é Cristo. Não a religião, que Jesus aliás sempre combateu e que foi, em última análise, a mentora da sua paixão, mas Jesus Ele próprio, como exemplo, como guia, como modelo, através da Sua Palavra, do Seu Espírito, do Seu Amor; especialmente do Seu Amor - "amai-vos uns aos outros como Eu vos amei".
Ops, tenho que ir. Desejos de uma boa semana.

Arnaldo Reis Trindade said...

Acredito em Cristo mas não em Deus e acho que Cristo (pessoa de carne e osso como nós) é um dos maiores exemplos de pessoa que existe e o que ele fez deveria ser exemplo pra muitos como Zé disse e acho também que teu texto está muito bom e agradeço por você está fazendo a sua parte, já pensou se cada um de nós fizessemos a nossa?


Abraço.

Maf_ram said...

Amigos,
pego nesta frase aqui deixada pelo Zé e proferida há cerca de dois mil anos atrás, mas intemporal: "amai-vos uns aos outros como Eu vos amei"... Como o mundo seria melhor se seguíssemos este Exemplo!!!

Façamos cada um a sua parte, como bem sugere o Arnaldo!

Eu procuro fazer a minha!